Amityville, O Despertar – Resenha

Ano: 2017
Título Original: AMITYVILLE – THE AWAKENING
Dirigido por: Franck Khalfoun
Avaliação: ★★☆☆☆ (Regular)

Em Amityville – O Despertar, uma família decide se mudar para uma casa aparentemente normal. Durante os primeiros dias, as coisas pareces fluir normalmente. Belle, a mais velha, tenta se enturmar na escola, enquanto que sua mãe tenta cuidar do irmão gêmeo de Belle (James), que está vegetativo em uma cama na sala da casa, e a irmão caçula, Juliet. Mas após alguns dias, James começa a sentir melhoras relevantes, muito estranhas para sua condição, aliado a outros acontecimento sobrenaturais que fazem Belle descobrir que aquela casa foi palco do massacre de Amityville. Agora ela terá de fazer de tudo para convencer a família de que aquela casa é malígna, enquanto tenta salvar a todos.

A continuação é totalmente desnecessária. A primeira falha é tentar se aproveitar de grandes sucessos como Invocação do Mal, Sobrenatural e Atividade Paranormal através da realização de cópias descaradas das técnicas de susto e terror. Amityville não consegue inovar, e essa é uma falha grande, apesar de todo o arcabouço histórico que poderia utilizar (como os mesmos fatores dos filmes já feitos sobre o tema).

Há algumas cenas de susto, claro, mas algumas ações e reações dos personagens apenas mostram uma leve falha de roteiro, não permitindo que o filme consiga convencer quem está assistindo de que aquilo é realmente assustador ou macabro.

Alguém dê um calmante bem forte para esse filme, para impedir que ele desperte novamente!

Análise Crítica
Data
Título Original
Amityville - O Despertar
Nota do Autor
21star1stargraygraygray